Desperdício Zero | Nem tudo o que parece é

Desperdício Zero é o conceito da moda e chegou até mim através de uma amiga que me falou do projecto da Bea Johnson e da reduzidíssima quantidade de lixo que a sua família produz durante um ano (muito menor, do que a quantidade produzida por mim e pelo meu marido em apenas uma semana). Dá que pensar, não?

De mãos dadas com este conceito, veio também o de minimalismo com o qual me identifiquei. Ter menos, viver mais.

Já há algum tempo que me tinha dado conta de que poderia fazer mais e melhor pelo meio ambiente e esta partilha trouxe-me o ânimo que me faltava para mudar.

Comecei a procurar mais informação sobre o assunto na internet, inscrevi-me em grupos de Facebook que falavam sobre o assunto e comecei a estar atenta aos produtos vendidos nas lojas “Eco”.

Rapidamente me apercebi que estava a perder o foco. Do que ia lendo, sobressaía sempre a palavra comprar. Comprar sacos de algodão (deitar fora os de plástico). Comprar caçarolas de vidro (deitar fora as de plástico). Comprar garrafa de vidro ou inox (deitar fora as de plástico). E por aqui fora. Fazendo as contas precisaria de um grande investimento para comprar o chamado Kit Zero Waste.

Imagem por RikaC, disponível em Pixabay

Parei para pensar. E isto não fez sentido absolutamente nenhum.

Comecei a olhar para a política do movimento: Recusar, Reduzir, Reutilizar, Reciclar e Compostar. Não vejo aqui a palavra substituir, porque não faz sentido lá estar.

Se eu tinha produtos em plástico em bom estado (excelente na verdade, porque tinham sido comprados há pouco tempo) porque haveria de os substituir por outros? Não o fiz. Passei a ser mais consciente na hora da compra.

Se havia algo novo que precisava de comprar para a casa (tinha casado há pouco tempo e havia coisas que faziam falta) pensava duas ou três vezes antes de o fazer e tentava optar por materiais mais sustentáveis. Não quer isto dizer que não tenha caído em tentação.

Achei que esta mudança aconteceria do dia para a noite, mas não foi assim que aconteceu.

Já conseguimos Recusar, Reduzir, Reutilizar, Reciclar e (muito recentemente) Compostar, conseguindo ver as melhorias que esta mudança trouxe às nossas vidas. Para começar, passamos menos tempo no supermercado porque não precisamos de comprar tanta coisa. Perdemos cada vez menos tempo a separar o lixo que produzimos, porque vamos produzindo cada vez menos (continua a ser demasiado). Passamos mais tempo na nossa horta e temos mais prazer à mesa por saber de onde vêm os nossos alimentos.

Imagem por Jasmin Sessler, disponível em Pixabay

Mas há coisas que ainda não conseguimos fazer e produtos que não conseguimos deixar de comprar. O valor dos produtos “Eco” ultrapassa, muitas vezes, o valor que pagamos por um produto normal e é claro que este é um factor que pesa muito a tomada de decisões.

Lá em casa temos vindo a adoptar medidas para reduzir a nossa pegada ecológica, mas temos consciência de que temos um looooongo caminho a percorrer. Fazemos ainda muito pouco, mas já fazemos alguma coisa e tentamos mudar e melhorar a cada dia. Não é fácil. Estamos habituados a ter tudo e os hábitos podem ser muito difíceis de mudar.

Hoje, Dia Mundial do Ambiente, é um excelente dia para também tu promoveres a mudança. Não achas?

Beijinhos,
Carina
Já cá estou e, por agora, fico

Segue o blog no Bloglovin
Segue o blog
error

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.